Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Riscas, o gatinho amarelo

O Riscas chegou à nossa casa a 08-12-2012, fruto de um pedido que o PP (menino que ia fazer 7 anos - na altura) fez aos pais. É uma aventura ter um gato num apartamento. Queremos que o Riscas seja saudável e feliz!

Riscas, o gatinho amarelo

O Riscas chegou à nossa casa a 08-12-2012, fruto de um pedido que o PP (menino que ia fazer 7 anos - na altura) fez aos pais. É uma aventura ter um gato num apartamento. Queremos que o Riscas seja saudável e feliz!

Exposição de gatos no CNEMA - Santarém

exposiçãodegatos.jpg

Fomos, pela primeira vez ver uma exposição de gatos ao  Cnema. Não era só de gatos, havia outras espécies, mas o que me levou lá, foram mesmo os gatos. Adorei ver aqueles gatinhos, lindos , majestosos, premiados. Nunca tinha visto ao vivo, gatos tão bonitos. O primeiro da imagem, o amarelinho, e os que estão por baixo deste eram para venda, e estavam enjaulados. O amarelinho era lindo, mas tinha um ar triste. Os outros estavam numa espécie de ala VIP, onde pareciam estar num concurso, não sei se de beleza, apenas vi que alguns deles tinham medalhas. Havia fotógrafos e câmaras a filmá-los e alguém chamava-os por números.

Foi tudo lindo de se ver. Mas, pelo caminho de regresso a casa, pus-me a pensar, que estes gatos de raça, podiam ser a representação da classe rica e os gatitos de rua e das instituições que ninguém quer, poderiam ser representativos da classe pobre. Se bem que os que estão nas instituições, até se podem sentir privilegiados. Até na espécie felina existe esta distinção. Até a alimentação de uns e de outros é diferente. A Royal Canin estava lá a patrocinar o evento.

Os gatos persa que estavam à venda custavam 420 euros, apenas o amarelinho custava 390 euros. E há quem prefira comprar um gato destes ao invés de adotar um gatito de raça comum. Não estou a criticar, pois aqueles gatos são o sonho de qualquer dono que goste de gatos.

Tal como nos humanos, nos felinos deve de existir o mesmo tipo de sentimentos. Uns sentem-se  reis e os outros sentem-se  sobreviventes!

Quanto ao Riscas, não é nem rei nem sobrevivente, deve ser representativo da classe média baixa!

No quentinho, é que se está bem

Ia tirar o Riscas dali para fazer a cama e arrumar o quarto, mas ele fez carinha de : " ó dona deixa-me ficar aqui no quentinho, eu prometo que me porto bem!" E pronto, convenceu-me. Certo é, que quando cheguei, (seis horas depois) ele ainda estava exatamente no mesmo lugar!

Grandes vidas!

aquitasebem.jpg

 

Pág. 1/3